Artigo

Ficar em casa

Nas circunstâncias actuais, todos tivemos de voltar a aprender uma “sabedoria” que parece fácil, mas não o é tanto: ficar em casa. “Ficar em casa” não pode ser visto nunca como algo meramente passivo. Caso contrário, corremos o risco de tornar a vida daqueles que nos rodeiam num verdadeiro inferno (Pe. Rodrigo Lynce de Faria)

Sábado, 16 de Maio de 2020

Ficar em casa

Nas circunstâncias actuais, todos tivemos de voltar a aprender uma “sabedoria” que parece fácil, mas não o é tanto: ficar em casa.

“Ficar em casa” não pode ser visto nunca como algo meramente passivo. Caso contrário, corremos o risco de tornar a vida daqueles que nos rodeiam num verdadeiro inferno.

É bom não esquecer que as interações sociais mais importantes são aquelas que temos na nossa casa. Por isso, devemos estar atentos às falhas no convívio diário que podem estragar a nossa vida familiar: discussões sem motivo, frieza, egoísmo, orgulho ferido, mau uso da língua.

Todos temos de nos esforçar por cuidar o convívio mútuo em casa. Sermos delicados, sem cair em modos pouco naturais. Acostumarmo-nos a não falar num tom dogmático de quem deseja ter sempre a última palavra. Ou de quem pensa que sabe tudo e, por isso, não tem nada de novo a aprender.

Já reparámos que a grande maioria das discussões dentro do lar se devem a motivos fúteis que o orgulho agiganta? E que nos levam a falar num tom de voz que ofende?

Não há maior fonte de conflitos num lar do que o mau uso da língua.

Muitos neste mundo morreram ao fio da espada. Mas muitos mais lares se desmoronaram devido ao mau uso da língua: “espada afiada” que pode matar, porque possui uma grande capacidade de humilhar.

Já diz São Tiago na sua epístola: “a religião de quem não domina a sua língua é vã” (Tg 1, 26). É interessante meditarmos com calma – agora que temos mais tempo para isso – na estreita relação que existe entre o amor a Deus e o esforço real por não ofender os outros com as nossas palavras.

Pe. Rodrigo Lynce de Faria