Artigo

Curso "Aprender a namorar"

150 rapazes e raparigas assistiram às 5 sessões do curso “Aprender a namorar” realizado no auditório do Oratório de S. Josemaria. As sessões foram também registadas em áudio.

Quinta-feira, 29 de Agosto de 2019

150 rapazes e raparigas assistiram às 5 sessões do curso “Aprender a namorar” realizado no auditório do Oratório de S. Josemaria (Lisboa) em Outubro de 2018. Em vésperas de mais um dia dos namorados, recorde aqui as ideias principais dos oradores que foram também registadas em áudio. Artigo escrito por Maria Müller, Ana Müller e Henrique Gama.

Pode ver as sessões aqui: https://opusdei.org/pt-pt/article/dias-dos-namorados-5-audios-em-portugues-para-ouvir-em-conjunto/

Opus Dei - Dias dos namorados: 5 áudios em português para ouvir em conjunto

Na primeira sessão, o Pe. Rodrigo Lynce de Faria, ajudou a conhecer melhor “O que diz a Igreja sobre o namoro?”: é a preparação para a vocação divina para o casamento, o qual, paradoxalmente, é fortalecido com o testemunho dessa outra vocação também divina do celibato.

 

O casal Vasco e Catarina Mesquita deram sugestões na segunda conferência sobre “Como encontrar a pessoa certa?”. Casados há um ano e à espera do primeiro filho, recomendaram rezar pela pessoa com quem se vai casar, mesmo antes do namoro. A liberdade dos casais cresce pela confiança na vontade de Deus, que se “lê” na oração. Daí, duas questões que ficaram no ar: onde está Deus na minha vida? onde está Deus no nosso namoro?

 

José Maria e Constança Vieira trataram o tema “Um namoro cristão num mundo hipersexualizado”. O namoro é mais verdadeiro quanto tem Deus no centro. Daí vem uma força maior para cada um conseguir dar-se, e distinguir uma manifestação de amor e respeito de uma procura egoísta de satisfação.

 

O Pe. Miguel Cabral ajudou a pensar se “Amor e paixão são sentimentos diferentes ou a mesma coisa?”. É uma destrinça que o namoro exige, para preparar a escolha livre que é o acto próprio do amor: dar-se ao outro, conscientemente. Esse vai ser o “sim” responsável e inteligente que no acto do casamento os noivos vão dar a três perguntas: querem?; estão dispostos?; estão decididos? Um “sim” muito para além do patamar dos sentimentos.

 

A última sessão ficou para o casal do Tomás e da Inês Almeida, casados há 12 anos, cinco filhos, para abordar a resiliência no amor que ultrapassa as dificuldades: “Na saúde e na doença? Para sempre? É possível? A qualidade da relação de casal é prioritária face ao cuidados dos filhos. O casal é uma equipa que quer vencer desafios que são mais importantes que os projectos pessoais.